terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Sim, eles sabem sobre o extermínio de jovens javaneses

Breve e tosco escrevinhado, ficção, reflexão, desabafo... 
por Selito SD



Em Bruzundangas, é sabido, os escrotos e escrotas, inclusive alguns e algumas tidos como de esquerda, adoram  insultar a inteligência dos javaneses e javanesas. 

O bando de dissimulados e dissimuladas (de esquerda), a propósito do altíssimo número de jovens javaneses histórica e sistematicamente mortos pela polícia (pelo Estado), número esse maior que os de muitos países em guerra, vivem proliferando a ideia de que tal se dá porque a polícia de lá é despreparada,   e que medidas devem ser tomadas para as efetivas mudanças e blá blá blá e blá blá blá. 

Cabe ainda ressaltar que também sabem que os indígenas de lá (como, sabemos nós, os indígenas de cá, do Brasil) foram quase totalmente exterminados. 

São dissimulados e dissimuladas (de esquerda), pois muito bem sabem que tal coisa não existe. Dialética, ou melhor, maquiavelicamente, o pretenso despreparo das forças policiais trata-se, a bem da verdade, de um eficiente preparo da abjeta instituição (que se vira com bicos: crimes e contravenções para o complemento da renda), a baixíssimo custo, para os fins a que se objetivam, e muito bem pensado por parte da vampiresca "'branca gente de bens" bruzundanguense. Os propósitos elitistas são/estão garantidos.

Bem sabem, os e as biltres (de esquerda) daquele país, que a polícia, lá, existe para a agressiva proteção do patrimônio da "'branca' gente de bens", da qual eles e elas, de algum modo, são pertenças ou, simplesmente, seus beócios vassalos: os little thigh. Bem sabem que para isso ela, a polícia, foi e é, historicamente, ainda que ao peculiar jeitinho bruzundanguense, muito bem preparada. 

Bem sabem, os e as canalhas (de esquerda) de lá, que existe um acordo tácito, um conchavo subentendido, um pacto silencioso, na sociedade bruzundanguense. Bem sabem que tal trato se funda nas seguintes máximas:

a) Proteção Incondicional do Patrimônio e de seu portador, a saber: a "'branca' gente de bens" e seus beócios vassalos: os little thigh; e 

b) contra a ameaça, a saber: os javaneses e/ou não brancos e pobres, cabe a punição exemplar, podendo ser a Execução Sumária - inclusive a Execução Sumária Preventiva. Se é que me entendem... Penso que sim. 

Daí que... O dever do policial é defender o patrimônio e a corporeidade da "'branca' gente de bens". Isto posto, está livre a autoridade policial para atentar a seu bel prazer contra a corporeidade de qualquer javanes ou não branco e/ou pobre. 

Segundo alguns militantes (javaneses e não javaneses) de grupos ativistas* e simpatizantes, não há a Pena de Morte em Bruzundangas, por uma questão de praticidade e eficiência da taciturna e nefasta ordem firmada. Entendem eles que "para o Estado genocida a Execução Sumária é mais eficiente e não tem os altos custos que demandariam aos cofres públicos os, provavelmente, longos processos penais". 

E essa diabólica convenção veio se construindo e se consolidando desde a colônia, passando pelo império e chegando às repúblicas, a velha e a nova...

Parece razoável deduzir que se fosse realmente por despreparo, as "destrambelhadas" ações da polícia bruzundanguense, e as muitíssimas e sistemáticas tragédias resultadas quase sempre em chacinas não abateriam somente os javaneses e/ou não brancos e pobres. Outrossim, ao menos, atingiriam também parte (pequena que seja ou que fosse) da "'branca' gente de bens" e seus beócios vassalos: os little thigh

No mais recente ato de barbárie em uma das grandes cidades de Bruzundangas, 7 jovens foram exterminados por policiais, segundo comentou uma testemunha, motivados por uma aposta entre dois grupos de guardas do Controle Social, destacamento popular e oficiosamente conhecido por lá como Comando de Caça aos Javaneses - CCJ. Não houve a menor comoção nos meios midiáticos importantes.

Há poucos meses atrás, nos arredores da maior cidade de Bruzundangas, 21 javaneses foram chacinados. Sabe-se do envolvimento de policiais, mas até agora pouco se apurou a respeito. 

Em tempo, registre-se também o alto número de presídios (que estão sendo passados para a administração privada - negócio de alta rentabilidade) e uma das maiores populações prisionais do mundo, majoritariamente composta de javaneses, não brancos e/ou pobres. 

Coisas de Bruzundangas. Quaisquer coincidências com a nossa Terra Brasílis tratar-se-á de mera semelhança.
__________________________
(*) #PPPP #ChegaDessaSaga #ChegaDessaSina #ChegaDeChacina

Nenhum comentário:

Postar um comentário