quarta-feira, 1 de maio de 2013

Pizindim na Roda Gigante*

Passei toda manhã ouvindo choro
Um pranto não sofrido, atormentado
Um choro, não vagido esganiçado
Prantina, mas provida de decoro

E a casa toda o lamentar canoro
Fez inundar d'um pranto soluçado
Nutrido pranto banto sincopado
Com bandolim e violão no coro

De aramadas vozes que dos pinhos
E dos jacarandás se libertavam
De vozes percutidas dos tambores

De ébanos, marfins, afinadinhos
Que as notas de Alfredo entoavam
Fazendo adocicar meus amargores




[*] Um plangor escrevinhado (de melodia já gestada) inspirado pelo Coletivo Roda Gigante executando, principalmente, Cochichando, de Alfredo da Rocha Viana Filho, dentre outros mais belos choros degustados na manhã de terça-feira, 23 de abril, dia de Jorge, de São Pizindim e, consequentemente, dia do Choro.